AUTOCONHECIMENTO

Dizem que o homem conhece mais o solo da Lua do que o fundo do mar, e que mais de 95% dos oceanos nunca foi visto por olhos humanos. 

Uma situação parecida acontece conosco: Em muitos casos, sabemos tudo sobre a vida de uma celebridade ou de uma vizinha e muito pouco sobre nós mesmos.

A ideia de que preferimos desviar o olhar "pra fora" (espaço sideral / vida alheia) ao invés olhar "pra dentro" (oceanos / eu interior) porque não traz nenhuma vantagem "prática" ou retorno financeiro me parece equivocada.  A possibilidade de descobrir e explorar recursos infinitos (riquezas minerais / forças internas), bem como de se antecipar à catástrofes (zonas de terremotos / conflitos emocionais) compensa o esforço.

 Já dizia Daniel Goleman sobre o sucesso: no máximo 20% depende de habilidades técnicas, enquanto que 80% depende de Inteligência emocional. 
E não tem outra forma de atingirmos o sucesso (financeiro, amoroso, profissional, etc) senão começando por um mergulho profundo dentro de nós mesmos.

Você pode até sentir medo no começo, mas sabe o que é mais assustador? Permitir que o medo te impeça de crescer e evoluir.

Pode ser doloroso? Sim, sem dúvida. Podemos encontrar monstros pavorosos, vulcões infernais, cenários alienígenas assustadores. Mas também será deslumbrante e emponderador.

COMO É A VIDA SEM AUTOCONHECIMENTO
Pra evitar o medo do desconhecido, vivemos como estrangeiros de nós mesmos, desconectados de nossas emoções, sem nunca ter ouvido a batida do próprio coração.

Pra nos sentirmos "seguros" em nossa zona de conforto, procuramos distrações nas redes sociais, na TV, no álcool, no shopping, em relacionamentos superficiais, nos rituais mecânicos, repetitivos e previsíveis do dia-a-dia. 

Pra fugir a dor do presente ou adiar o enfrentamento de algum problema, nos refugiamos na nostalgia do passado ou nos devaneios do futuro. 

Por medo de errar ou se indispor com os outros, evitamos o autoconhecimento e a investigação daquilo que realmente nos motiva (MOTIVOS pra trabalhar, estudar, levantar da cama, etc), ficando assim vulneráveis a manipulação por parte de figuras de autoridade (familiares, chefes, líderes religiosos, mídia, etc) e à sugestão de MOTIVOS para viver.

Pra não perder o amor ou reconhecimento de nossos pais, construímos uma vida inteira com base em decisões feitas em nossa infância sobre como será nosso destino. Sem auto conhecimento, muitos seguem exatamente o plano que seus pais tinham para eles, iludidos de que essas decisões são “suas”.

IMPORTÂNCIA DO AUTOCONHECIMENTO
Como vimos acima, o auto-conhecimento é o ponto de partida para liberarmos todo nosso potencial e atingir os mais altos níveis de excelência na vida pessoal e profissional.

Somente quem se conhece sabe exatamente onde quer chegar, quais as limitações a serem superadas, quais suas ferramentas disponíveis para atingir a autonomia e liberdade, etc.

COMEÇANDO A JORNADA DO AUTOCONHECIMENTO
Mapear um trecho até então inexplorado do oceano DEPOIS que um avião com passageiros caiu não serve de nada. Então há que se começar o quanto antes, um passo de cada vez, devagar e sempre.

Comece observando e identificando, de forma racional, seus pensamentos, emoções e comportamentos. Existe um padrão?

De onde herdei esse pensamento ou comportamento?

Quem falava/agia assim na minha infância? 

Eu controlo meus pensamentos/emoções/comportamentos ou eles me controlam?

Como me sinto quando penso dessa forma? 

Esse pensamento/emoção/comportamento me traz sofrimento ou alegria? 

Ao pensar/sentir/me comportar dessa forma estou sendo meu amigo ou inimigo?

Eu gosto de como me sinto quando penso assim?

Como esse tipo de pensamento interfere nas minhas atitudes e estado emocional?

No que esse pensamento/emoção/comportamento pode estar atrapalhando minha vida?

É útil manter esse pensamento/emoção/comportamento agora na minha vida adulta? Se não, como posso substituí-lo por um pensamento mais positivo e útil?

Como posso melhorar minha reação emocional/comportamental quando esse tipo de pensamento vier à tona novamente?

POSSÍVEIS DESDOBRAMENTOS DO AUTOCONHECIMENTO
Segundo Claude Steiner (psicólogo clínico e analista transacional), quando percebemos nossa repetição inconsciente (nem sempre lógica/saudável) de pensamentos/sentimentos/comportamentos, ficamos desconfortáveis por não saber a origem da opressão, e como consequência ficamos com raiva e o desejo de fazer algo a respeito.
Nesse sentido a raiva é positiva, já que é o primeiro passo para nos libertar da repetição e para entrar em contato com outros sentimentos mais profundos (inclusive amor e alegria) que foram “congelados” com o objetivo de nos afastar da dor do trauma original.

Então nos tornamos mais conscientes sobre nossos sistemas de crenças (premissas ou argumentos) que justificam essa repetição, e a principio evitamos contato com as injunções e atribuições parentais (proibições, sugestionamentos, imposições, obrigações, e frases ditas pelos pais em nossa infância que deram origem a esse sistema de crenças).

Após tomarmos consciência sobre a origem, geralmente iremos evitar a consciência sobre a possibilidade de mudança pois isso poderia nos fazer reviver a experiência catastrófica (castigo, por ex) e podemos sentir medo de revivê-la.

Quando estamos prontos para mudar (ou em alguns casos desobedecer as ordens parentais, fazer “diferente”), podemos evitar tomarmos ciência de nossa capacidade para mudar, por medo também de encontrar um ambiente hostil.

Nessa etapa, o contato terapêutico e cooperativo com outras pessoas irá garantir o meio-ambiente favorável, encorajando a pessoa a superar seu Script (Roteiro de Vida) e encontrar sua Autonomia.

Quando começamos a interagir de forma consciente com outras pessoas, nos tornamos capazes de perceber não somente o que estamos sentindo mas também o que os outros estão sentindo, ficando mais fácil prever como se dará a interação das emoções, ou como cada um irá reagir a determinada situação.

Essa expansão da auto-consciência e da consciência do outro é que nos possibilita uma vida mais harmoniosa, relações de qualidade, melhores padrões de comunicação e tomadas de decisão mais lúcidas.

AUTOCONHECIMENTO: ALGUMAS FRASES
“Conhece-te a ti mesmo”. Frase inscrita no Oráculo de Delfos
"Quem olha para fora sonha, quem olha para dentro desperta." Carl Jung
"A consciência é uma garrafa vazia em um oceano de afetos em maremoto." Friedrich Nietzsche
"A mente indisciplinada é como um elefante. Se deixado sem controle, andando às tontas, vai fazer grandes estragos." Dalai Lama
"A única revolução possível é dentro de nós." Mahatma Gandhi
"Aqueles que não se lembram do passado estão condenados a repeti-lo." George Santayana
"As enfermidades são os resultados não só dos nossos atos como também dos nossos pensamentos." Mahatma Gandhi
"Conta-me o teu passado e saberei o teu futuro." Confúcio
"Em nós próprios desconhecemos os vícios, e só os notamos nos demais." Saavedra Fajardo
"O que não enfrentamos em nós mesmos encontraremos como destino." Carl Jung

AUTOCONHECIMENTO: ALGUNS LIVROS
Os jogos da vida - Eric Berne
Os papéis que vivemos na vida - Claude Steiner
O Macaco Nu - Desmond Morris


TAGS: autoconhecimento, auto-conhecimento, auto conhecimento, autoconhecimento livros, autoconhecimento psicologia, autoconhecimento frases, autoconhecimento exercicios, autoconhecimento importancia, autoconhecimento filosofia, atividades de autoconhecimento psicologia