Joseph Campbell:- Já perdi muitos amigos, além de meus pais. E me veio uma percepção muito agradável de que eu não os perdi. Aquele momento em que estive com eles teve uma qualidade eterna que ainda está comigo. O que aquele momento me deu, continua comigo agora. E nisso há uma sugestão de imortalidade. 
Pois bem, há um texto ótimo de Schopenhauer que diz: "Quando você chega a uma certa idade..."  ele escreveu isso quando tinha 60 e poucos anos "e você olha para a sua vida passada... parece que ela teve uma ordem.  Parece que ela foi composta por alguém. E esses acontecimentos, que quando ocorreram pareciam apenas acidentais e ocasionais, algo que aconteceu se revelam como elementos principais num enredo consistente... E a pergunta é: "Quem compôs esse enredo?" E ele diz: "Da mesma forma que os seus sonhos são compostos por um aspecto de você mesmo, inconscientemente, toda a sua vida também foi elaborada pela vontade dentro de você." E depois diz..."Da mesma maneira que essas pessoas que você encontrou por acaso se tornaram agentes efetivos na estruturação da sua vida, você também foi um agente na estruturação de outras vidas. E tudo isso se encaixa como uma grande sinfonia. "Cada coisa influenciando e estruturando as outras." Ele disse: "É como se as nossas vidas fossem um sonho sonhado por uma só pessoa onde todos os personagens também estão sonhando e assim cada coisa se liga a todas as outras coisas, impulsionadas pela vontade na natureza." Essa é uma idéia muito bonita. É uma idéia que ocorre na Índia na imagem que se chama"A Rede de Indra" ou a rede das pedras preciosas. Uma rede em que cada pedra reflete todas as outras. E eles também têm o conceito de um surgimento espontâneo e simultâneo. Tudo aparece em relação a tudo mais e assim, não se pode culpar ninguém por nada. Tudo está em funcionamento. É uma idéia maravilhosa. É como se houvesse uma intenção por trás das coisas e, mesmo assim, é tudo por acaso. Nenhum de nós viveu a vida que pretendia viver. 
Bill Moyers:- E, mesmo assim, todos nós vivemos uma vida que tem um objetivo. O senhor acredita nisso?
Joseph Campbell:- Não acredito que a vida tenha um objetivo real. Quando você percebe o que a vida realmente é... ela é um monte de protoplasma com uma necessidade de se reproduzir e continuar existindo.
Bill Moyers:- Não. Isso não é verdade.
Joseph Campbell:- Um momento.  Não se pode dizer que a vida, pura e simples, tem um objetivo. Veja todos os objetivos diferentes que ela tem por aí. Mas cada encarnação tem a potencialidade. E a função da vida é viver aquela potencialidade. E como fazê-Io? Quando os meus alunos me perguntavam "Será que eu devo fazer isso ou aquilo?" "Meu pai me disse que eu devo fazer tal coisa..." a minha resposta era: "Siga a sua felicidade." Existe algo dentro de você que sabe que você está no centro. Que você está no eixo ou está fora dele. E se você sai do seu eixo para ganhar dinheiro... você perde a sua vida. 
Série O Poder do Mito de Joseph Campbell, episódio 6

TEMAS: Luto, Imortalidade, Eternidade, Script de Vida, Acaso, Destino, Vontade de potência, Dom, Vocação

"A situação terapêutica é uma situação de emergência que oferece segurança. Vocês podem testar todos os tipos de coisas e ver que o mundo não cai em pedaços se você estiver com raiva ou se você for honesto. E então vocês saem para o mundo e podem conseguir um pouco mais de confiança para fazer um pouco mais de honestidade estando no mundo. Vocês verão que as pessoas gostam muito mais da honestidade, muito mais do que vocês esperavam. Com certeza, muitas pessoas se ofenderão e se irritarão, mas estas são a maioria das pessoas que não vale a pena cultivar como amigas."
Fritz Perls

TEMAS: Honestidade, Sinceridade, Autoconfiança, Autoestima, Aceitação, Amizade

Bill Moyers:- Ele (deus) existe ou não?
Joseph Campbell:- Nem existe, nem não existe. Qualquer deus, qualquer mitologia ou qualquer religião são verdadeiros nesse sentido...assim como uma metáfora do mistério humano e cósmico.

Joseph Campbell:- Aqui no Ocidente, acreditamos que Deus é a fonte da energia.
No pensamento oriental e também no pensamento primitivo Deus é a manifestação da energia, não a fonte. Deus é o veículo da energia. E o nível de energia que está presente ou representado, determina o caráter de um deus. Há deuses da violência... da compaixão... deuses que juntam as duas coisas...  ou que protegem os reis nas guerras. Essas são personificações das energias em jogo. E qual é a fonte dessa energia? Qual é a fonte da energia das luzes que nos cercam? É um mistério total.
Mesmo em nossas mentes, na hora de fazermos qualquer coisa há uma guerra. Uma decisão sobre as prioridades. O que devo fazer agora? E nas relações com as outras pessoas há quatro ou cinco caminhos a tomar. É a noção de divindade ou de uma vida divina dentro da minha mente, que determina a minha decisão. Se essa noção for brutal, será uma decisão brutal.
Bill Moyers:- Mas a divindade é só aquilo que nós pensamos?
Joseph Campbell:- Sim.
Bill Moyers:- E qual a conseqüência disso para a fé?
Joseph Campbell:- Bem, é difícil falar sobre a fé.
Bill Moyers:- O senhor é um homem de fé.
Joseph Campbell:- Não sou...
Bill Moyers:- O senhor é um homem enigmático.
Joseph Campbell:- Sim, eu não preciso ter fé, eu tenho experiência.
Bill Moyers:- Que tipo de experiência?
Joseph Campbell:- Tenho a experiência do milagre da vida. Tenho a experiência do amor. Do ódio, da maldade. Tenho vontade de esmurrar aquele cara. E eu reconheço isso. Mas essas são divindades diferentes do ponto de vista da imaginação simbólica. São imagens diversas em ação, dentro de mim.
Quando eu era pequeno, fui educado no catolicismo. Disseram que eu tinha um anjo da guarda do lado direito e um diabo me tentando do lado esquerdo. E para tomar uma decisão o que eu teria que fazer? Isso dependeria de qual tinha mais influência sobre mim. E mesmo agora, eu acredito nas pessoas que me instruíram. Elas realmente concretizavam esses pensamentos.
Bill Moyers:- Como assim?
Joseph Campbell:- Era mesmo um anjo. Era um fato... e aquele diabo também, entende? Se não, a gente pensa neles como metáforas das energias que nos afligem e nos guiam.
Bill Moyers:- E essas energias vêm...
Joseph Campbell:- Da sua própria vida. A energia do seu corpo, dos diferentes órgãos do corpo, incluindo a cabeça. Esses são os sistemas em conflito.
Bill Moyers:- E a nossa vida vem de onde?
Joseph Campbell:- Aí está! Vem da energia suprema, a vida do universo. Então, você me diz: "Alguém tem que gerar isso." Por que dizer isso? Por que não pode ser uma coisa impessoal? Seria Brahman. Seria o mistério transcendental que também se pode personificar.
Bill Moyers:- As pessoas podem conviver com uma impessoalidade?
Joseph Campbell:- Sim, elas fazem isso em todo lugar. Basta ir a leste de Suez. No Oriente, os deuses são muito mais elementares.
Bill Moyers:- Elementares?
Joseph Campbell:- Elementares. Menos humanos... e mais parecidos com as forças da natureza. Vejo uma divindade como a representação de um sistema de energias. E uma parte dele, são os sistemas humanos de amor, maldade, ódio, benevolência, compaixão. E no pensamento oriental, o Deus é o veículo da energia, não a fonte.

Joseph Campbell: Tive uma experiência muito divertida. Eu estava na piscina do Clube Atlético de Nova lorque e ali, ninguém usa colarinho na piscina. Fui apresentado a um padre: "Esse é o padre fulano... esse é Joseph Campbell". Sou professor, e ele também, numa universidade católica. Depois de nadar um pouco, sentei ao lado dele naquela chamada situação atlética horizontal. O padre estava atrás de mim. Nisso, ele perguntou: "Senhor Campbell, o senhor é padre?" Eu disse: "Não, padre". Ele perguntou: "O senhor é católico?" E eu disse: "Já fui católico, padre". Então, ele teve sensatez de perguntar dessa maneira... "Você acredita num Deus pessoal?" Eu disse: "Não, padre." E ele disse: "Bem, acredito que não haja uma maneira lógica de provar a existência de um Deus pessoal". Eu respondi: "Se houvesse, padre... que valor teria a fé?" "Bem, Sr. Campbell, prazer em conhecê-lo". E foi embora. Eu me senti como se tivesse lhe dado um golpe de jiu-jitsu. Aquela foi uma conversa muito esclarecedora para mim. A pergunta: "O senhor acredita num Deus pessoal?" significa que ele também reconhecia a possibilidade do Brahman da energia transcendental.
Bill Moyers:- Mas então, o que é religião?
Joseph Campbell:- A palavra religião significa "religio", religar. Religar a ligar a pessoa, enquanto fenômeno a uma origem. Se, é a mesma vida que existe em nós dois minha vida separada foi religada àquela vida única. "Religio", religar.
Bill Moyers:- E isso...
Joseph Campbell:- E isso é simbolizado nas imagens religiosas que representam esse vínculo de conexão.
Série O Poder do Mito de Joseph Campbell, episódio 6

TEMAS: deus, crença, descrença, religião, energia, Origem da vida, metáforas, decisões, fé, simbologia, cristianismo, natureza  

"Parece muito mais nobre se sentir culpado do que ressentido, e é preciso mais coragem para expressar ressentimento do que a culpa. Ao expressar sua culpa você espera pacificar seu adversário; ao expressar ressentimento você pode instigar sua hostilidade."
Fritz Perls

TEMAS: Culpa, Ressentimento, Autoestima, Coragem, Manipulação
 

Há uma linda história num dos Upanishads... o "Brahmavaivarta", a respeito de Indra. Um deus que. na verdade, é o equivalente de Jeová. Ele é o padroeiro de um certo povo e do tempo e vida históricos com um monte de regras que as pessoas têm que seguir.Num dado momento, um grande monstro chamado Vritra fechou todas as águas da Terra. Houve uma seca terrível. O mundo estava em péssimas condições.
Depois de muito tempo, esse deus Indra percebeu que tinha uma caixa cheia de relâmpagos. Bastava lançar um raio sobre Vritra e fazê-lo explodir. E quando ele fez isso as águas voltaram a correr... e o mundo se refrescou e ele disse: "Puxa que grande homem eu sou!"
Então pensando assim, Indra sobe a Montanha Cósmica, que é a montanha do centro do mundo, e decide construir ali uma nova cidade e, principalmente, um grande palácio digno de alguém tão grandioso quanto ele.
Ele chama Vishvakarman, o principal carpinteiro dos deuses e o incumbe de construir esse palácio. Vishvakarman começa a trabalhar e constrói o palácio rapidamente.
Só que cada vez que Indra vem ver o trabalho, tem ideias ainda mais grandiosas e magníficas para o palácio.
Por fim, Vishvakarman pensa: "Meu Deus! Nós dois somos imortais. E os desejos dele não têm fim. Estou preso nessa tarefa para o resto da vida." Decide então consultar
Brahma, que é o criador e queixar-se a ele.
Brahma está sentado numa flor de lótus. Símbolo da energia e da graça divinas.
Esse lótus nasce do umbigo de Vishnu que é o deus adormecido, cujo sonho é o universo.
Então lá está Brahma no seu lótus e Vishvakarman vem até a margem desse lago de lótus do universo, saúda e conta sua história. Brahma então lhe diz: "Pode ir embora, eu resolvo isso."
Assim, na manhã seguinte no portão do palácio aparece um belo rapaz de um negro azulado com várias crianças em volta, só admirando sua beleza. Esse rapaz entra e Indra, o rei-deus, em seu trono lhe diz "Seja bem-vindo, jovem. O que o traz ao meu palácio? "
"Bem", diz o rapaz, com uma voz de trovão rugindo no horizonte, "Disseram-me que você está construindo um palácio como nenhum outro Indra jamais construiu. Já andei olhando tudo por aqui e me parece que é verdade." Nenhum Indra antes de você construiu um palácio como este."
Ao que Indra responde... "O quê?" Indra antes de mim? Do que você está falando?"
E o jovem diz... "Indras antes de você! Já vi muitos e muitos Indras irem e virem. Pense bem, Vishnu está dormindo no oceano cósmico e do seu umbigo cresce o lótus do universo. Neste lótus está sentado Brahma, o criador. Brahma abre os olhos e passa a existir um mundo governado por um Indra. Ele fecha os olhos, esse mundo desaparece. Abre os olhos e o mundo passa a existir. Fecha os olhos... e a vida de um Brahma dura 432 mil anos e ele morre. Daí volta o lótus. Outro lótus e outro Brahma. E pense nas galáxias além das galáxias no espaço infinito. Cada uma delas é um lótus com um Brahma sentado abrindo e fechando os olhos com seus Indras. Talvez aqui na sua corte haja algum sábio que se disponha a contar as gotas de água nos oceanos, ou os grãos de areia nas praias. Mas ninguém poderia contar todos esses Brahmas muito menos todos esses Indras."
E enquanto ele fala, atravessando o chão do palácio, uma fileira de formigas em perfeita ordem. O rapaz ri ao vê-las. 
Indra fica de cabelo em pé e diz... "Do que você está rindo? "
E o rapaz, responde: "Não me pergunte isso... a menos que você esteja disposto a ficar magoado. "
Indra responde: "Estou disposto. Ensine-me."
O menino então diz: "Antigos Indras, todas elas." Por vidas, se elevam da condição mais baixa espiritualmente até a iluminação mais alta e fulminam Vritra com seu raio e pensam... "Puxa, que grande homem eu sou!" E em seguida caem de novo lá em baixo.
Então, Indra senta no seu trono totalmente desiludido e chocado.  E pensa: "Bom, é melhor parar de construir este palácio" Chama então Vishvakarman e diz: "Você está dispensado."
Vishvakarman entende sua intenção. Está dispensado Acabou-se a construção do palácio.
Indra então decide: "Vou me tornar um iogue e apenas meditar nos pés de lótus de Vishnu."
Mas ele tinha uma bela rainha chamada Indrani.
E quando Indrani ouve isso, ela vai até o sacerdote, o capelão dos deuses e diz "Agora ele está com esta ideia na cabeça de querer ser iogue."
O brâmane diz: "Bem, venha comigo, querida. Vamos resolver isso." Ele conversa com Indra. Os dois se sentam à frente do trono do rei e o brâmane diz: "Alguns anos atrás escrevi um livro para você sobre a arte da política. Você está na posição de rei. Está na posição de rei dos deuses. Você é uma manifestação do mistério de Brahma no nível do tempo. Este é um alto privilégio. Você deve apreciá-lo, honrá-lo e tratar a vida como se você fosse aquilo que realmente é."
E com essas instruções, Indra desiste da ideia de se tornar um iogue e descobre que na vida, ele pode representar a eternidade na forma de um símbolo. O símbolo do brâmane e da verdade final.

Assim, cada um de nós é, de certa forma, o Indra da sua própria vida. E você pode fazer sua escolha. Ou vai para a floresta meditar, jogar tudo fora ou então fica no mundo e na vida, seja do seu trabalho que é o trabalho dos reis, da política e das realizações... seja na sua vida amorosa, com sua mulher e sua família você estará realizando a verdade.
Série O Poder do Mito de Joseph Campbell, episódio 2

TEMAS: vaidade, orgulho, arrogância, ego, eternidade, consciência, humildade, karma, samsara, Roda da Fortuna

"Nossa dependência nos torna escravos, especialmente se essa dependência é uma dependência da nossa auto-estima. Se você precisa de encorajamento, elogios, tapinhas nas costas de todo mundo, então você faz todo mundo o seu juiz"
Fritz Perls

TEMAS: Personalidade dependente, Autoestima, Motivação
 

Joseph Campbell: ...Para o pensamento indiano todo o universo é divino. É uma manifestação da própria divindade... Então como podemos dizer não a qualquer coisa deste mundo? Como podemos dizer não à brutalidade, à estupidez, à vulgaridade, à irresponsabilidade?"

Bill Moyers: Em certas doutrinas cristãs o mundo deve ser desprezado... a vida só será redimida no além... nossa recompensa só vem do céu... e se você afirma aquilo que deplora, estará afirmando o mundo, que é a nossa eternidade do momento.

Joseph Campbell: É isso mesmo. A eternidade não e um tempo futuro. A eternidade não é uma extensão longa de tempo. A eternidade não tem nada a ver com o tempo. A eternidade é a dimensão do aqui e agora, que é eliminada se pensarmos no tempo. 
Se você não conseguir isso aqui, não conseguirá em nenhum lugar. E a experiência da eternidade aqui e agora é a função da vida.
Há uma forma maravilhosa que os budistas têm para o "Bodhisattva". O "Bodhisattva" é aquele cujo ser ou "satva" é iluminação, ou "bodhi". Aquele que percebe sua identidade com a eternidade e ao mesmo tempo, sua participação no tempo.
E não é correto se afastar do mundo quando se percebe como é terrível. Mas perceber que esse horror é simplesmente a ante-sala de uma maravilha. E assim, voltar e participar dele.
"A vida é sofrimento", é o primeiro dito budista e é isso mesmo.
A vida não seria vida se não houvesse a temporalidade... que é sofrimento, perda, perda, perda.
Você tem que dizer sim para a vida e dizer que é ótimo que as coisas sejam assim.
Foi assim que Deus quis.

Bill Moyers: Acredita mesmo nisso?

Joseph Campbell: E assim que as coisas são.  Não creio que alguém tenha desejado, mas é assim que elas são.
Há aquela linda frase de James Joyce "A História é um pesadelo do qual estou tentando acordar."  E a maneira de acordar é não ter medo, e reconhecer que tudo isso, assim como é, é como tem que ser. É uma manifestação da presença eterna no mundo. O final das coisas é sempre doloroso. A dor faz parte do simples fato de que o mundo existe.
Série O Poder do Mito de Joseph Campbell, episódio 2

TEMAS: Dualidade, Paraíso, eternidade, flecha do tempo, aqui-agora, Amor Fati, sofrimento, perda, aceitação, A vida como ela é

"Eu não estou neste mundo para viver correspondendo às expectativas de ninguém, nem acho que o mundo deva corresponder às minhas."
Fritz Perls

TEMAS: Expectativas, Autoestima, Desapego, Consciência, Autonomia, Autogovernança, Autocontrole, Comportamento
 

E na nossa linguagem, a palavra para designar o que há de mais transcendental é "Deus".

Essa ideia de Deus como um velho barbudo, com um temperamento meio desagradável é uma forma materialista de se falar sobre a transcendência.

É exatamente o oposto do que foi encontrado numa ilha no Golfo de Bombaim, algo que data do século 8. E uma caverna maravilhosa. Você sai de uma paisagem iluminada e entra lá. Caminhando na escuridão não se enxerga nada. Mas se você continuar andando devagar aos poucos seus olhos se acostumam e você vê aquela coisa enorme de uns seis metros de altura por seis de largura. A cabeça central é a máscara da eternidade. Essa é a metáfora deve ser vivenciada como um esplendor. Toda vez que nos afastamos da transcendência chegamos ao campo dos opostos. Esses dois opostos se apresentam como macho e fêmea, vindos desses dois lados. E o ser que comeu o fruto da árvore do conhecimento, não só do bem e do mal, mas do macho e da fêmea, do certo e do errado, da luz e da escuridão. Tudo nesse campo do tempo é dualístico. passado e futuro, morto e vivo, ser ou não ser, é ou não é. E qual é o sentido de eles estarem ao lado da máscara de Deus, da eternidade? O que esta escultura nos diz? A máscara representa o centro e os dois representam os opostos. Sempre aparecem em pares. Tente colocar sua mente no meio. A maioria de nós coloca a mente no lado do bem contra aquilo que achamos ser o mal. Creio que foi Heráclito que disse: "Para Deus todas as coisas são boas, certas e justas. Mas para o homem algumas são certas e outras não."  O homem está no campo do tempo e um dos problemas da vida é compreender os dois termos. Ou seja, eu conheço o centro. E sei que o bem e o mal são simples manifestações temporais.  Há toda uma mitologia baseada na compreensão que transcende o dualismo. A nossa mitologia é baseada no dualismo. Assim, nossa religião tende a enfatizar a ética, pecado e expiação, certo e errado. Veja, ela começou com pecado... ou seja, saindo fora da zona mitológica do Paraíso, onde não existe o tempo. E o homem e a mulher nem sabem que são diferentes um do outro. Lá, os dois são apenas criaturas. E Deus e o homem são praticamente a mesma coisa. "Ele caminha no frescor da tarde no jardim onde estamos."  Eles comem a maçã, vem o conhecimento dos pares opostos, e o homem e a mulher cobrem suas vergonhas. Eles são diferentes. Deus e o homem são diferentes. E a natureza está contra o homem.
Série O Poder do Mito de Joseph Campbell, episódio 2

TEMAS: Deus, dualidade, transcendência, eternidade, ética

"Seja quem você é e diga o que você sente, pois as pessoas que se incomodam não importam, e as pessoas que importam não se incomodam."
Dr Seuss

TEMAS: Autoestima, Autenticidade, Espontaneidade, Honestidade, Verdade, Sinceridade

“Nunca deixe ninguém lhe dizer que não pode fazer uma coisa, nem mesmo eu. Se você tem um sonho, tem que correr atrás dele. As pessoas não conseguem vencer e dizem que você também não vai vencer. Se você quer uma coisa, corra atrás, ponto!”
Filme À Procura da Felicidade

TEMAS: autoestima, Pai Nutritivo (AT)

"Tudo que somos é resultado do que pensamos."
Buda

TEMAS: autoestima

"É difícil amar a si mesmo quando ninguém te mostra como fazer isso”
Filme Um Anjo da Guarda (2005)

TEMAS: autoestima, amor-próprio

"Tudo o que faço é feito de pura alegria, largo meus frutos como uma árvore madura. O que o leitor em geral ou o crítico faz deles não é a minha preocupação."
Henry Miller

TEMAS: autoestima

“Quando me amei de verdade, compreendi que em qualquer circunstância eu estava no lugar certo, na hora certa, no momento exato. E então, pude relaxar. Hoje sei que isso tem nome… Autoestima.”
Charles Chaplin

TEMAS: autoestima, amor próprio

- "Por que as pessoas boas escolhem as pessoas erradas?"
- "Nós aceitamos o amor que achamos que merecemos."
Charlie perguntando ao seu professor Anderson, no filme As Vantagens de Ser Invisível (The Perks of Being a Wallflower)

TEMAS: amor, escolhas, autoestima

"Nascemos príncipes e princesas, mas às vezes nossa infância nos transforma em sapos"
Eric Berne

TEMAS: autoestima, autoimagem, aprendizado, dinâmica familiar, educação

"O homem se torna muitas vezes o que ele próprio acredita que é. Se insisto em repetir para mim mesmo que não posso fazer uma determinada coisa, é possível que acabe me tornando realmente incapaz de fazê-la.

Ao contrário, se tenho a convicção de que posso fazê-la, certamente adquirirei a capacidade de realizá-la, mesmo que não a tenha no começo."
Mahatma Gandhi

TEMAS: crenças, autoestima

"A criança não tem o equipamento e a experiência necessários para formar uma imagem precisa de si própria, de forma que seu único guia é a reação dos outros a ela.
Há muito poucos motivos para que ela questione essas apreciações que fazem a seu respeito e, de qualquer modo, não tem como desafiá-las ou rebelar-se contra elas, Aceita passivamente os julgamentos, que são comunicados empaticamente a princípio, e por palavras, gestos e ações nesse período"

TEMAS: autoestima, autoimagem, obediência, submissão

"Estranho como a vida de um homem toca tantas outras. Se alguém não existe, deixa um buraco horrível."
George Bailey, no filme A felicidade não se compra (1946)

TEMAS: autoestima, efeito borboleta, consequências

"Autoestima é uma opinião realista e apreciativa de si mesmo. Realista significa precisa e honesta. Apreciativa implica em sentimentos positivos e gostar de si mesmo.
Autoestima é diretamente entre vergonha autodestrutiva e orgulho autodestrutivo.
Pessoas com orgulho autodestrutivo estão tentando ser mais que humanos. São arrogantes e narcisistas, o que significa que eles acham que são melhores e mais importantes que os outros.
Pessoas com vergonha autodestrutiva ou humildade autodestrutiva acreditam que eles são menos que humanos. Se vêem como o pó da terra. Tem uma opinião irreal e desfavoráveis sobre si mesmos."

Glenn R. Schiraldi

TEMAS: autoestima, vergonha, orgulho, arrogância, narcisismo, narcisista, Pai Crítico (AT)

"Cuidamos apenas os que amamos, amamos apenas o que compreendemos, compreendemos apenas o que conhecemos, conhecemos apenas o que aprendemos."

TEMAS: autoestima, amor, educação, aprendizado, preconceito

"Quando nosso valor como seres humanos depende do que fazemos com nossas mãos ou mentes, nos tornamos vítimas de táticas de medo em nosso mundo. Quando produtividade é o nosso meio principal de superar nossa dúvidas sobre nós mesmos, estamos extremamente vulneráveis à rejeição e críticas e propensos à ansiedade interna e depressão."
Henri J. M. Nouwen

TEMAS: autoestima, insegurança, jogos de poder, manipulação, rejeição, Pai Crítico (AT), ansiedade, depressão

"Cada um de nós é, na perspectiva cósmica, precioso. Se um ser humano discorda de você, deixe-o viver. Em cem bilhões de galáxias, você não vai encontrar outro."
Carl Sagan

TEMAS: autoestima, humanidade, desapego, sabedoria, sensatez, niilismo

"Permitir que circunstâncias ou os outros determinem seu valor dá a eles controle e poder inapropriado."
Anônimo

TEMAS: autoestima, autonomia, insegurança, jogos de poder, manipulação, personalidade dependente

"A reputação começa dentro de nós mesmos, e aquele que quer ser estimado necessita de ser o primeiro a estimar-se."
Julio Dinis

TEMAS: autoestima, reconhecimento

"Cada indivíduo foi criado para amar e ser amado. Existe uma fome maior que a fome de pão... a fome de amor." 
Madre Teresa

TEMAS: amor, fome de reconhecimento, autoestima

"A massa do seu corpo está ligada ao seu valor como pessoa?"
Sheldon Cooper, da série The Big Bang Theory

TEMAS: autoestima

"A necessidade de amor caracteriza cada ser humano nascido... Nenhuma saúde psicológica é possível sem que sua essência seja aceita, amada e respeitada."
Abraham Maslow

TEMAS: amor, reconhecimento, autoestima

"A culpa é uma reação ensinada aos seres humanos pelos seus pais a serviço da opressão. A culpa impede as crianças de lutar pelas coisas que desejam, mas que seus pais não querem que elas tenham."
Eric Berne

TEMAS: autoestima, culpa, abuso emocional, abuso infantil, Análise Transacional (AT), autoritarismo, chantagem, comportamento, conflitos familiares, Criança (AT), dinâmica familiar, educação, família disfuncional, figura paterna, filhos,Jogos (AT), mãe dominadora, manipulação, moral, obediência, Pai (AT), Pai crítico (AT), pai dominador, pai rigoroso, paternidade, maternidade, ressignificação, submissão, tortura psicológica, valores, Vítima (AT), vitimização

"Cada um de nós tem uma imagem mental de si mesmo, uma auto-imagem que governa grande parte de sua conduta e perspectiva. Para achar a vida razoavelmente satisfatória, você deve ter uma auto-imagem com a qual possa viver. Você deve se achar aceitável para você. Você deve ter um eu que goste e aquele em quem possa confiar e acreditar. Essa auto-imagem é da qual você pode se orgulhar. Você se sente confiante. Você funciona da melhor maneira possível."
Dr. Maxwell Maltz

TEMAS: autoestima, autoimagem, autoconfiança

"A confiança provém não de se ter sempre razão, mas de não se ter medo de errar."
Peter T. McIntyre

TEMAS: autoconfiança, autoestima, coragem