Sr. Ninguém (Mr. Nobody)


Sr. Ninguém (Mr. Nobody) 2009


Direção: Jaco van Dormael
Elenco: Jared Leto, Sarah Polley, Diane Kruger, Linh Dan Pham, Rhys Ifans, Natasha Little, Allan Corduner, Michael Riley, Toby Regbo, Thomas Byrne
Ano: 2009
País: Noruega/França
Gênero: Drama, Fantasia, Romance, Ficção Científica
Nota IMDB



Sinopse do filme Sr. Ninguém (Mr. Nobody):


Em 2092 Nemo Nobody (nemo em latim e nobody em inglês significam ninguém) tem 118 anos e é o último mortal numa sociedade onde morte e sexo não existem mais.


Um psicólogo tenta descobrir fatos da vida de Nemo. Com a ajuda da hipnose, Nemo relata trechos conflitantes de sua trajetória (como por exemplo que teve E não teve filhos), o que nos leva a crer que parte dessas memórias é real, parte é fantasia de sua mente senil.


Em um clima lisérgico, com estética futurista à lá Kubrick (quem sabe Dali), o filme nos mostra as possíveis desdobramentos (como galhos de uma árvore) a partir de 3 idades-chave de Nemo: aos 9 anos de idade (quando seus pais se divorciaram e ele precisou decidir com qual ficar), aos 16 anos (quando precisou decidir entre namorar Anna, Elise ou Jean) e aos 34 anos (eventos resultantes de sua escolha afetiva).


Assistir trailer do filme Sr. Ninguém (Mr. Nobody) legendado em português pt br:




Resenha do filme / análise crítica do filme Sr. Ninguém (Mr. Nobody) e seus usos em Cinema Terapia:


O filme consegue nos mostrar física e mecânica quântica aplicadas na vida cotidiana. Ao invés de uma abordagem técnica e cansativa, temos um enredo que nos envolve, emociona, e de quebra nos convida à reflexão sobre as escolhas que fazemos.


Acredito também que esse filme é fundamental para jovens em idade pré-vestibular, pois consegue tornar um tema tão complexo quanto, por exemplo, a teoria das cordas muito mais inteligível e fascinante.



FORMAS DE INTERPRETAR O FILME
Como um espelho, o filme dá margens para diversas interpretações, de acordo com o observador:
1) A mais rasa, na minha opinião, é a de um velho que não se lembra de tudo e fantasia algumas coisas.
2) A que mais fez sentido pra mim, é a de uma abordagem mais compreensível da Teoria das Cordas e da Interpretação de Muitos Mundos (mais info abaixo): nesse caso, Nemo viveu todas as versões que contou ao psicólogo e ao jornalista, simultaneamente, em universos paralelos (ou dimensões diferentes).
3) Uma das hipóteses levantadas no filme é a de que, no momento que tinha que decidir entre ir com a mãe ou ficar com o pai, Nemo (então com 9 anos), na estação de trem, procura imaginar quais os caminhos possíveis se ficar com o pai, ou com a mãe.
4) Tudo pode ter sido fruto da imaginação de Nemo durante o período que ficou em coma (aos 16 anos)
5) Um sonho que Nemo, aos 34 anos e casado com Elise e/ou Jean, teve.
6) Sob um ponto de vista mais “espiritual” (simplista e superficial na minha opinião), poderia se tratar da alma de Nemo que ainda não nasceu (no “céu”), escolhendo seus pais, checando quais escolhas estariam de acordo com seu “karma” ou com os aprendizados que deve passar “nessa vida”.


TEORIA DAS CORDAS
Até o final do século XIX o átomo era considerado a menor parte que se poderia dividir a matéria. Depois foram descobertas partículas menores ainda (elétrons, prótons e nêutrons). Já no século XX, o férmion, depois o quark e o lépton foram tidos como partículas mais elementares da matéria.


Segundo a Teoria das Cordas, as partículas primordiais da matéria são formadas por energia vibrando em diferentes tons, como as cordas de um violão formando tudo que existe no universo (impossível até para um ateu não visualizar uma imagem pictórica de “deus” tocando seu violão cósmico dando origem a todos os seres, suas “composições celestiais”).


Como se não bastasse, a teoria descobriu que, além das partículas (que ocupam um único ponto do espaço), e das cordas (unidimensionais), existem os p-branas (bi ou multidimensionais).


Ainda de acordo com a Teoria das Cordas, o universo possui (no mínimo) 9 dimensões espaciais (além das dimensões de espaço da física clássica - altura, largura e profundidade) e 1 dimensão temporal (a quarta dimensão, da teoria da relatividade, o tempo que conhecemos, dimensão que caminha em apenas uma direção). Como é uma teoria ainda não comprovada, e se as outras 6 dimensões forem temporais ao invés de espaciais?


Nesse caso nós, como aglomerados de partículas multidimensionais poderíamos, assim como Nemo, estar “aqui e agora” e simultaneamente em outras dimensões temporais, ou seja, vivendo simultaneamente diversas vidas, em universos paralelos.


INTERPRETAÇÃO DE MUITOS MUNDOS (IMM) E MULTIVERSO
A IMM propõe a existência de infinitos universos paralelos (a princípio) não comunicantes, onde todos os eventos ocorrem simultaneamente.


Ambas teorias tiveram origem em experimentos como o da dupla fenda. Um exemplo mais simples é o de apontar um laser para um bola de vidro: a partícula de luz (o fóton) aparece em vários lugares ao mesmo tempo.


Se existem infinitos universos, cada possível desdobramento de uma vida tende a ocorrer. Se as teorias estiverem certas, você em um universo foi para a faculdade, em outro não foi, em outro foi mas não se formou, e assim indefinidamente, até esgotar todas as probabilidades.


Alguns universos poderiam até ser interconectados entre si por buracos de minhoca.


Sendo assim, não veríamos Nemo como um velho com Alzheimer, mas uma pessoa que descobriu a chave para conseguir transitar pelos universos paralelos e manter sua memória intacta para se lembrar do seu eu vivendo no mesmo espaço-tempo mas em outras dimensões com “Annas”, “Elises” e Jeans”.


BURACO DE MINHOCA
Um buraco de minhoca é (hipoteticamente) uma espécie de túnel, uma “garganta” que liga um buraco negro a um buraco branco. É uma ponte que liga dois universos paralelos, onde a matéria poderia viajar pegando um “atalho”.


Mas não se sabe quais seriam as consequências se um ser humano resolvesse atravessar: seu cérebro e outros órgãos sofreriam danos?


Mesmo que conseguíssemos chegar “inteiros” no outro universo, não poderíamos prever onde iríamos aterrizar. Além disso, calcula-se que nunca poderíamos atravessar de volta: ao entrar novamente no buraco, cairíamos em outro universo paralelo diferente do ponto de partida original.


ENTROPIA e BIG CRUNCH
Antes do Big Bang o tempo não existia. O tempo é resultado da expansão do universo. O vaso quebrado nunca irá voltar ao seu estado original: é irreversível. O universo caminha pelo tempo para um estado de dissipação de energia (ex: gelo derretendo) e desordem.


"Você deve fazer a escolha certa. Enquanto você não escolhe, tudo permanece possível"


Nada indica que o universo parou de expandir, apesar das forças de atração gravitacional. Alguns cientistas acreditam que, no futuro, o universo irá se contrair: a esse evento é dado o nome de Big Crunch (Grande Colapso).


Nesse caso, o tempo retrocederia? Tudo retornaria ao seu estado original?


Na cena final do filme, é exatamente isso que acontece: o velho Nemo morre, mas em seguida vemos tudo voltando ao que era antes: os planetas invertem sua rotação, o relógio corre para trás, as folhas secas voltam para as árvores, ele volta para Anna, seus pais não se separam...


TEORIA DO CAOS
Até os anos 1980, físicos defendiam a tese de que o universo é governado por leis precisas e, consequentemente, todos os eventos podem ser previstos. A teoria do caos mostrou que pequenas variações aparentemente aleatórias e imprevisíveis podem alterar todo o curso de um evento.


EFEITO BORBOLETA
“O bater de asas de uma borboleta pode causar um tufão no outro extremo do planeta”.
Muitos já conhecem esse conceito, mas no filme vemos outros exemplos de que esse efeito não depende diretamente de escolhas conscientes de Nemo mas sim de fenômenos aleatórios:


1) A primeira se dá logo no início do filme, e é uma ilustração extrapolada do conceito original. Uma borboleta em um campo do Japão, provoca ventos que levantam e conduzem uma folha seca até chegar aos pés do futuro pai de Nemo, que tropeça e é “socorrido” pela futura mãe de Nemo.


2) O agora jovem Nemo, em alta velocidade por uma estrada, derrapa na mesma folha acima e sofre um acidente, que faz com que Nemo entre em coma.


3) Nemo adulto reencontra seu grande amor. Ela lhe dá um número de telefone e assim que vira a esquina uma gota de chuva borra o papel, apagando o número de telefone. Nemo explica que, de certa forma, a culpa foi (também) dele já que comprou um jeans mais barato, o que contribuiu para o fechamento de uma fábrica de jeans no Brasil. O desempregado dessa fábrica esqueceu um ovo cozinhando, o vapor formado pelo cozimento se juntou a uma corrente de ar e a outros eventos climáticos que deram origem à chuva daquele dia fatídico em Nova Iorque.


MEMÓRIA, ESQUECIMENTO
Nemo explica no começo do filme que, antes de nascer, sabemos tudo que irá nos acontecer. No instante da concepção, os anjos colocam os dedos sobre nossos lábios para que esqueçamos de tudo. Só que o anjo “esqueceu” de fazer o sinal com os dedos em Nemo, e por isso ele não esqueceu nada.


Se começarmos a analisar por um caminho mais popularesco (por ex. segundo a ótica da doutrina espírita), o espírito “encarnado” esquece suas vidas passadas e sua “missão” nessa encarnação pois Deus diz que o homem não deve saber tudo e afinal, Deus sabe o que faz... Outras tentativas (frustradas na minha opinião) de explicar o motivo pelo qual esquecemos nossas "vidas passadas" dizem que, por ex, se soubermos que nosso pai nessa vida foi nosso algoz na vida passada iremos odiá-lo desde o início, impedindo que ambos superemos nosso "karma" (no caso do pai de ter uma segunda chance para não matar/tentar ser mais legal com o filho nessa vida, no caso do filho de praticar o perdão com o pai) e consequentemente não iremos "evoluir espiritualmente". Mas peraí: ser benevolente com nossos amigos é moleza, superação pra valer é ser benevolente com nossos inimigos! Então, qual o propósito de não ter essa memória de “vidas passadas”? Como iremos atingir nossa missão se não sabemos qual é? Como iremos estudar para a "prova" se não sabemos quais matérias irão cair? Sem associação (o cachorro que associa o xixi que fez no móvel com a bronca dada, a criança que associa ter colocado o dedo na tomada com a dor do choque, etc) como se dará o aprendizado?


Sem querer prolongar o assunto mas... se é PROIBIDO que saibamos do nosso passado e missão, por que então alguns praticantes do espiritismo tem o “poder” de saber sobre seu passado/missão e – PIOR! - te contam? Em busca de fama e reconhecimento, esses próprios espíritas não estão descumprindo as leis divinas de silêncio/esquecimento? Se fosse pra ter lembrança de algo específico, “Deus” já teria dado um jeito de transmitir, sem intermediários?


Já do ponto de vista científico, como vimos, somos feitos de energia. Essa energia não some ou “morre” junto com você: ela é reciclada, aproveitada na composição de outras matérias (seres vivos, planetas, metais, whatever). Considerando que tenhamos uma memória celular e sem querer ser muito simplista: e se nos lembrássemos que somos uma soma de cadeira + tatu + fio de pentelho de um velho armênio + pâncreas do Raul Seixas, e dai? Qual grande “dano” poderia nos causar essa descoberta?


Não acho que não temos memória do que fomos antes porque "Deus" não quer. Se cada átomo nosso tivesse a propriedade de lembrar do que foi formado em todos as composições anteriores, seria impossível fazer com que todos os átomos de nosso corpo chegassem num "consenso" e definissem que a maioria deles é reciclagem de um único tipo de material... menor ainda a probabilidade de descobrirem que são na maioria restos de um rei ou rainha em decomposição, né?


Para mim, como afirmei acima, a mensagem que fica do filme é de que Nemo realmente viveu todas essas vidas simultaneamente em universos paralelos e consegue (por alguma propriedade em particular) manter sua memória integra conforme se transporta de um universo a outro.


SUPERSTIÇÃO
Ainda seguindo essa visão espiritualista de memória, como “esquecemos” nosso passado e missão, a maioria de nós (de acordo com o filme) cria superstições, assim como os pombos de Skinner (pai do Behaviorismo): em um experimento os pombos eram alimentados a cada 20 minutos, independente de suas ações. Mas em determinado ponto, um pombo começa a acreditar que consegue comida pois bate as asas, outro ponto acredita que é por conta dos movimentos que faz com o pescoço, etc.


Nemo não é supersticioso: acredita que suas decisões ditam os acontecimentos. Por conta disso (e de sua capacidade de lembrar tudo que acontece em seus universos paralelos) não consegue decidir nada:


“Antes ele era incapaz de fazer uma escolha, porque não sabia o que iria acontecer. Agora que ele sabe o que vai acontecer, ele é incapaz de fazer uma escolha.”


“No xadrez chama-se 'enrascada'. Quando o único movimento certo é não se mover.”